abril 30, 2013

Loulé, viragem séc. XIX para o séc. XX



No censo de 1890 a vila de Loulé contava com 18 872, e no de 1900, com 22 478 habitantes[1], mantendo-se a tendência do aumento populacional na viragem do século XIX, para o século XX.

O crescimento populacional verificado constitui um factor determinante para o desenvolvimento proto-industrial da vila onde, nos finais do século XIX e nos inícios do século XX, se desenvolveram algumas indústrias, já com alguma tradição no concelho em séculos anteriores, tal com a indústria caseira de esparto. Existia algum dinamismo no sector têxtil, mas a actividade de maior destaque era, sem dúvida, a manufactura do calçado[2].

A esse respeito, Silva Lopes, diz-nos, que havia em Loulé “… fabricas de cortumes, e olarias em que se fazem cantaros e alcatruzes, que são procurados por todo o Algarve e parte do Alêm-Tejo, para onde são exportados”[3].



[1] In: Febres Infecciosas – Notas sobre o concelho de Loulé, Geraldino BRITES, Imprensa da Universidade, Coimbra, 1914, p. 104.
[2] Vide: Maria da Graça Maia MARQUES, O Algarve da Antiguidade aos nossos dias, Edições Colibri, 1999, pp.394 – 395.
[3] In: João Baptista Silva LOPES, Corografia ou Memória Económica, Estatística e Topográfica do Reino do Algarve, 1.º Volume, Algarve em Foco Editora, p. 311.