dezembro 16, 2013

Festividades - Monchique

(...)

Existem no concelho de Monchique algumas festividades que marcam o calendário anual que reflectem ainda a sua origem ancestral ligada aos ciclos agrícolas e aos trabalhos a estes inerentes.

As festas constituem um momento de sociabilização e de partilha, sejam estas de cariz religioso, sejam mais ligadas ao trabalho.
Entre os hábitos e tradições festivas das gentes desta serra tem-se verificado nos últimos anos uma tentativa por parte do poder local em revitalizar alguns destes momentos de festa, imprimindo-lhe uma nova vida e uma nova dimensão.


A dois de Fevereiro celebrava-se a Festa de Nossa Senhora das Candeias, com a realização de uma missa solene e uma procissão dedicada a esta santa, padroeira de Monchique. Era o dia em que se fazia «a sorte do mel», aquando da entrada da procissão na igreja, caso as velas permanecessem acesas era sinal que seria um ano com abundância de mel, se as velas se apagassem significava o contrário. Esta é uma tradição que entrou em desuso nas últimas décadas. (...)

in: BATISTA, Patrícia Santos - Dissertação Mestrado em Museologia, Univ. de Évora, Monchique - Património e Identidade: estratégias para o desenvolvimento local, p. 100 (texto policopiado, 2013).

dezembro 07, 2013

Dieta mediterrânica

Dieta mediterrânica, do termo grego «daiata» - representa um estilo de vida, transmitido de geração em geração e que se reflecte, igualmente na cultura imaterial: técnicas e práticas produtivas (o "saber-fazer"); formas de preparação, confecção e consumo dos alimentos, festividades, tradições orais e expressões artísticas.

(texto adaptado de notícia da Agência Lusa, 04.12.2013)

dezembro 01, 2013

Ainda em Messines

“Ficamos em Messines, ponto de sahida para Silves, a primeira cidade algarvia que attrahe a nossa curiosidade de viageiros. Estação deserta. Nem mais um passageiro, além de nós. A madrugada húmida traz-nos arrepios por uma noite mal dormida. Vae clareando. Em torno, a paisagem tem todas as gradações do verde, n’uma harmonia suavíssima, desde o azeitonado da alfarroba té ao alegre-claro das amedoeiras que orlam as estradas, povoam cerrados e vão ainda entresachar as fiadas interminas de figueiras, que coroam montes e colinas – acocorando-se em manchas, pequenas e redondas com manjericos – a rastejar pela terra calcinada os seus braços contorcidos.” 

in: João Arruda, Cartas d'um Viajor, 1908, p. 75 e 76

novembro 26, 2013

S. Bartolomeu de Messines

"Mergulhâmos no somno, até que a frescura arrepiante da madrugada, nos surprehende nas proximidades de S. Bartholomeu de Messines, offerecendo-nos completa mutação de paisagem. Por toda a parte que a vista abrange a Figueira, a Amendoeira, a Alfarrobeira – trindade vegetal que faz a riqueza do Algarve."

in: João Arruda,Cartas d’um viajor, 1908, p. 74

novembro 16, 2013

Monumento a Duarte Pacheco

Assinala-se hoje, 16 de Novembro de 2013, 70 anos sobre a morte de Duarte Pacheco e 60 da inauguração deste  monumento:
Obra do monumento em homenagem a Duarte Pacheco, Loulé

Foto:partilhada por Luís Guerreiro

novembro 12, 2013

Caixinha das Almas (cont.)



"...Fugiu do Duque da Terceira aquando do seu desembarque no Algarve em 1833, espiando o movimento dos constitucionalistas e hostilizando-os. Em 1838 foi preso e condenado à morte por enforcamento em Faro. Dos que o acompanhavam fazia parte um almancilense, filho de família muito distinta, de nome José Bota Vinhas. Muitos foram igualmente enforcados, outros condenados a longos anos de prisão.


O almancilense esteve alguns anos na prisão e como cumprimento de uma promessa ou, simplesmente, como forma de agradecimento por nada ter acontecido a um filho da terra, o seu pai mandou construir este pequeno símbolo religioso."

in:  Almancil e a novas oportunidades de negócio, p.

novembro 11, 2013

Caixinha das Almas



"A Caixa das Almas, situada no centro da Vila de Almancil, é um oratório oitocentista de grande devoção popular. Do interior do mesmo sobressai um painel de azulejos brancos e azuis, onde se evoca e exalta a salvação das almas do purgatório, datados de 1850. A história da sua construção está ligada a José Joaquim de Sousa Reis, de apelido “Remexido”, que foi apoiante da causa absolutista, favorável a D. Miguel."

in:  Almancil e a novas oportunidades de negócio, p. 9

novembro 04, 2013

Terramoto 1755

“De Quarteira até Lagos foram mais lastimosos aos seos efeitos; porque com grande mortandade de gentes e danos de fazendas tragou a Armação de Quarteira, a melhor parte da Villa de Albufeira, a Armaçam de Pêra, todos os arrabaldes de Vila Nova de Portimam e todos os bairros mais baixos da cidade de Lagos.”


in: Relaçam, 1756, p. 163 

novembro 02, 2013

Maremoto 1755

“Este ímpeto do mar foi o que causou os efeitos mais tristes em toda a costa do Algarve. Por toda ela pescavam várias artes para se aproveitarem seus donos do interesse da sardinha, que ia de passagem. Com este fim dispensaram elas a santificação do dia; mas infelizes, a todos tragou a voracidade das ondas.”

in: Faria e Castro, 1786, p. 33


novembro 01, 2013

Terramoto de 1755 no Algarve

“Todo o Reyno do Algarve padeceu grandes estragos com o terramoto por ser huma Costa do Oceano sujeita aos seus efeitos, como tem experimentado em outras ocasiones (…) não houve Villa, ou Aldeya deste Reyno, que não padecesse muito.”

in: Moreira de Mendonça, 1758, p. 155-156

“… debaixo de suas ruínas ficarão submergidas povoações inteiras, mormente as marítimas. Pelas 9 ½ horas da manhã do predicto 1.º de novembro, estando o dia claro e sereno como d’estio, vento N. O., ouvio-se hum grande trovão surdo; e logo passados 3 ou 4 minutos principiou a tremer a terra com espantosa violência; o mar recolheo-se em parte mais de 20 braças, deixando as praias em sêco; e arremetendo imediatamente para a terra com tamanho ímpeto, que entrou por ella dentro mais de huma légua, sobrepujando as mais altas rochas; tornando a retrahir-se e romper por três vezes dentro de poucos minutos, arrastando no fluxo e refluxo enormes massas de penhascos e edifícios; e deixando por isso arrazadas quasi todas as povoações marítimas.”

in: Baptista Silva Lopes, p. 14
 

outubro 23, 2013

A Bola

1.ª Pág. "Jornal a Bola" de dia 19.10.1950
Imagem partilhada por Luís Guerreiro.

outubro 04, 2013

Monchique

" A Monchique veo muitas el-rei D. Sebastião, e lhe chamou Nova Cintra [...].
E por ser de tanta frescura, muitos homens nobres vão no verão folgar e tomar os seus passatempos a este lugar."

in: Henriques Fernandes Serrão, História do Reino do Algarve, Séc. XVI

setembro 30, 2013

A Mulher

 "Se é clara a luz desta vermelha margem
é porque dela se ergue uma figura nua
e o silêncio é recente e todavia antigo
enquanto se penteia na sombra da folhagem.
Que longe é ver tão perto o centro da frescura

e as linhas calmas e as brisas sossegadas!
O que ela pensa é só vagar, um ser só espaço
que no umbigo principia e fulge em transparência.
Numa deriva imóvel, o seu hálito é o tempo
que em espiral circula ao ritmo da origem.

Ela é a amante que concebe o ser no seu ouvido, na corola
do vento. Osmose branca, embriaguez vertiginosa.
O seu sorriso é a distância fluida, a subtileza do ar.
Quase dorme no suave clamor e se dissipa
e nasce do esquecimento como um sopro indivisível. "

António Ramos Rosa, in "Volante Verde"

setembro 19, 2013

Litoral algarvio

«Eu ia correndo o litoral algarvio, que é um ininterrompido jardim, muito povoado de gente e de arvoredo; as amendoeiras, agora, na realidade do Sol, atraiam de novo as minhas imagens, que nelas pousavam de envolta com as abelhas. [...] // De vez em quando. [...] acendiam-se vastos espelhos de mar, onde a luz se quebrava ao sabor da aragem, em mil facetas ardentes, até que, empecendo-lhes de todo o brilho, as dumas principiavam a ondular, miseravelmente…»


Manuel Teixeira-Gomes

agosto 19, 2013

Viagem a Portugal - Toponímia algarvia

"... o Algarve está cheio duma toponímia estranha que apenas por convenções ou imposição centralizadora se dirá portuguesa. É o caso de Budens e Odiáxere, e também Bensafrim, por onde o viajante há-de passar, de Odelouca, que é uma ribeira aí adiante, de Porches, Boliqueime e Paderne, de Nexe e Odeleite, de Quelfes e Dogueno, de Laborato e Lotão, de Giões e Clarines, de Gilvrazino e Benafrim. Mas esta nova viagem (ir de origem em origem, buscando raízes e transformações, até tornar a memória antiga necessidade de hoje) não a fará o viajante: para isso se requereriam saber e experiência particulares, não estes apenas de olhar e ver, parar e caminhar, reflectir e dizer."

In: Viagem a Portugal - José Saramago, 23.ª ed., Caminho, 2011, p.618.

agosto 02, 2013

Guia de Portugal - Olhos de Água

(...)

"Alguns quilómetros mais longe, no sítio denominado Olhos de Água, e nas cercanias imediatas da praia, existem nascentes submarinas de água doce rebentano com tal ímpeto que os barcos dos pescadores são afastados da sua rota ao passarem no local"...

in: Guia de Portugal II-  Estremadura, Alentejo, Algarve - SANT'ANNA DIONISIO, FCG, p.223.

julho 23, 2013

Para uma história do turismo do Algarve

5.ª parte

De paraíso perdido de difícil acesso o Algarve torna-se num centro cosmopolita, destino turístico de figuras públicas de renome internacional, o aeroporto, segundo Manuel da Fonseca, torna a região “um arredor da capital do País. Os estrangeiros, então, mal chegam a Lisboa, daí a nada, estão a tomar banho nas praias algarvias”.

P.S.B.
Ref. Bibliográficas:

FLORES, Adão – “O turismo no Algarve na primeira metade do século”, in:  O Algarve da antiguidade aos nossos dias, coord. Maria da Graça Maia Marques. - Colibri, Lisboa, 1999;
FONSECA, Manuel da - Crónicas Algarvias, Caminho, 2.ª Edição, 1987.
GUERREIRO, Aníbal C. - História da Camionagem Algarvia (de passageiros): 1925-1975 (da origem à nacionalização), s.l., s.n., 1983;

RUELA, Rosa - “Era uma vez o Algarve...: histórias das férias antes da invasão urbanística... “ in: Visão, nº751, 2007;

julho 19, 2013

Para uma história do turismo do Algarve

4.ª parte

Também a ausência de unidades hoteleiras dignas de tal designação constituíam um entrave ao turismo na região. As primeiras unidades hoteleiras, como o Hotel Guadiana, em Vila Real de Santo António, ou o Grande Hotel na capital da província são edificadas nas primeiras décadas de 900. O grande surto edificatório, e que alterará completamente a fisionomia do litoral algarvio, coincide com o boom turístico dos anos 60, reflexo da inauguração do aeroporto de Faro em 1965, que irá colocar o Algarve definitivamente nos circuitos turísticos internacionais.

P.S.B.

julho 17, 2013

Para uma história do turismo do Algarve

3.ª parte

O Algarve de início do século XX é uma região pouco turística, sobretudo, devido às escassas e difíceis acessibilidades, que tornavam a viagem bastante penosa, apenas uma estrada que atravessando a serra do Caldeirão, ligava ao Alentejo e resto do país, o mar mantinha-se como principal via de acesso.


Falava-se então numa tríade turística: Portimão – Monchique e Sagres. Monchique atraía muitos viajantes, quer pela sua exuberante vegetação, quer pelos seus banhos termais. Sagres pela sua carga mística e simbólica ligadas à figura do Infante e da Expansão. E Portimão, em particular, a Praia da Rocha, devido ao seu clima ameno ao longo de todo o ano, rivalizando com as famosas estâncias internacionais como Biarritz. 

P.S.B.

julho 13, 2013

Para uma história do turismo do Algarve

2.ª Parte

No caso particular do Algarve, existem diversos relatos de viajantes que aqui se deslocaram, essencialmente, por motivos profissionais, como o alto funcionário francês do Ministério da Guerra, Leopold Alfred Gabriel Germond de Lavigne ou Hermann Friedrich Joachim Freiherrn Von Maltaz, que empreendeu uma viagem científica à região, na qualidade de Presidente da Sociedade dos Amigos da História Natural de Mecklenburg.

O turista, tal como hoje é entendido, começa a ganhar expressão a partir dos anos 30 do século XX, com a introdução de férias pagas, em França. O que em Portugal só viria a acontecer décadas mais tarde.

De forma gradual a “ida a banhos” desliga-se da sua função meramente medicinal e começa a fazer parte do calendário social da elite endinheirada. Os banhos de mar, para além de recomendáveis para a saúde, tornam-se, igualmente, momentos de fruição e lazer, complementados por uma intensa actividade social e cultural.


P.S.B.

julho 09, 2013

Para uma história do turismo do Algarve

1.ª parte

Para uma história do turismo do Algarve

Falar de Algarve é hoje sinónimo de praia e de férias, no entanto nem sempre foi assim!

Até meados do século XIX os banhos de mar destinavam-se, exclusivamente a fins terapêuticos, prescritos pelos médicos de então, a talassoterapia estava em voga, e os “ares do mar” também eram considerados saudáveis.

O próprio conceito de viagem e de turista era bastante diferente do actual. Viajar sempre fora apanágio dos mais abastados, sobretudo nos séculos XVIII/ XIX onde se cultivava o gosto pelas viagens como parte integral da formação do indivíduo, bem ao gosto romântico da época.


P.S.B.

julho 01, 2013

O sítio arqueológico do Cerro do Castelo de Alferce - classificação

Presidência do Conselho de Ministros - Gabinete do Secretário de Estado da Cultura
Classifica como sítio de interesse público o Sítio Arqueológico do Cerro do Castelo de Alferce, sito no Cerro do Castelo, freguesia de Alferce, concelho de Monchique, distrito de Faro, e fixa a zona especial de proteção do referido sítio

junho 18, 2013

[Antes do] Mercado de Loulé

[Antes do] Mercado de Loulé

No dia 30 de Novembro de 1890, num jornal local1, publicara-se um artigo intitulado: “Mercado Publico”, que como o próprio título sugere, referia-se à necessidade da construção de um mercado na vila de Loulé.

No citado artigo o seu autor defendia a construção de um mercado onde fossem vendidos: “as hortaliças e mais generos e ainda para o peixe”2.

Para além de se reconhecer, nos finais do século XIX a necessidade deste equipamento urbano, a sua construção seria apenas concretizada no início do século seguinte, tendo sido inaugurado no ano de 19083.

A grande questão levantada ao longo do artigo do jornal local, prendia-se, não com a necessidade da construção do mercado, propriamente dita, mas sim com a sua localização.

O autor do artigo sublinha a importância da limpeza, ou seja o recinto deveria ser facilmente limpo. A opinião pública de então considera a proximidade de água, como um factor fundamental para a localização do futuro mercado. 
(...) 

1 In: Jornal O Algarvio , semanário publicado aos domingos. O Director Político do jornal era Francisco d’Athaíde Oliveira.
2 In: art. cit, 30 de Novembro de 1890.
3 Vide: Isilda Maria Renda MARTINS, Loulé no século XX – I – Da Decadência da Monarquia à Implantação da República, Edições Colibri e Câmara Municipal de Loulé, 2001, p. 132.

P.S.B.

junho 11, 2013

A moirinha do castelo


"Paderne tem a alguns quilómetros de distância, as ruínas históricas do seu castelo, que nos recorda os gloriosos tempos da fundação da nossa nacionalidade, porque figura entre os sete castelos das armas de Portugal.
Antes que a espada valerosa de D. Paio Peres Correia, conquista-se o temido castelo para a coroa de D. Afonso III, vivia ali um rei moiro com a sua família e uma filha linda como uma fada e meiga como um anjo, que fazia o encanto de toda a gente.
Um dia a jovem princesinha iludindo a vigilâncias das aias, foi passear sozinha para um arrabalde distante do castelo, quando encontrou um cavaleiro desconhecido, que naturalmente fascinado pela sua extraordinária formusura se apeou do seu corcel, e entabulou conversação com ela. A ingénua rapariga disse-lhe que era filha do rei que habitava o próximo castelo, e que seu pai receoso de uma próxima invasão, desejava manda-la para distantes terras.
-Nunca deixes o castelo, disse ele. Se isso se desse, eu viria libertar-te, e aqui voltarei todas as noites até à ponte para falar contigo.
Ela por sua vez prometeu também não faltar, e desse esse dia, todas as noites de luar, quando era silêncio, a princesa saia do castelo, e dirigindo-se para a ponte esperava o seu bem amado, que chegando num cavalo coberto de suor, trocava com ela rápidas palavras, e partia a galope na mesma direção que trouxera.
Numa noite ele disse-lhe que se ausentava por alguns dias porque fora encarregado duma missão de confiança. Ela ficou triste.
- Sê corajosa, tornou-lhe ele, se alguma coisa de anormal se der na minha ausência eu virei buscar-te depois.
Por isso, quando certo dia o rei declarou que ela ia sair dali com suas aias, a princesa disse com firmeza que preferia morrer junto com seu pai, e que as aias podiam partir, que passado o perigo as mandaria buscar. Assim se fez. As aias deixaram a sua senhora e dois dias depois os soldados da Cruz investiram no castelo.
Alguns dias durou o combate porque os moiros defendiam-se com denodo, mas quando o rei viu que a vitória devia pertencer aos seus adversários, então temendo, não de que a vida de sua filha corresse perigo, (os combates de então eram mais humanos do que os carcereiros das princesas da Rússia) mas ficando entre os cristãos viesse a abjurar a sua religião, disse-lhe que ia encanta-la até ao tempo que ela determinasse. E quando o pai pronunciou a fórmula do encantamento a princesa com o pensamento no seu cavalheiro, acrescentou simplesmente: “até que um cavalheiro me venha libertar”.
                Terminou a luta com vitória para os portugueses, e muitas vezes pela meia-noite as sentinelas do castelo avistavam junto à ponte a linda moirinha, que fiel à sua palavra ia esperar o seu libertador que nem mais voltara. (…)
                Ainda hoje pela calada da noite à luz branca do luar, se vê a solitária moirinha, que saindo dos seus subterrâneos, vais colhendo malmequeres selvagens até chegar à ponte esperando o seu bem-amado…
MADRESSILVA"

(A Avezinha 11 de junho de 1922, nº 12)

maio 20, 2013

O ELOGIO DO ALGARVE NAS PÁGINAS DO «NEW YORK TIMES»


O ELOGIO DO ALGARVE NAS PÁGINAS DO «NEW YORK TIMES»

Sob o título «Poesia primitiva no Sul de Portugal», o periódico New York Times publica para o seu milhão de leitores um artigo no qual exaltam as belezas do Algarve.
Afirmando que o Algarve possui o necessário para atrair o turista norte-americano, que admira a beleza, a paz e a tranquilidade da meridional província portuguesa, o articulista saliente ainda que, com a tradicional modéstia e reserva, o povo português principia a dar-se conta que a Praia da Rocha rivaliza em beleza com Cabo Ferrat, com uma vida que custa a quinta parte, se tanto.

In: Anuário do Turismo Português, 1961, p. 62

maio 13, 2013

maio 09, 2013

Dia da Espiga - Feriado Municipal de Loulé


O "Dia da Espiga", como é conhecido no Sul, corresponde à Quinta-feira de Ascensão. No concelho de Loulé é o dia do feriado municipal,testemunho de um calendário, marcadamente rural, com ligação à actividade agrícola.
Neste dia as pessoas saem para os campos, para apanharem a “espiga” (um raminho de trigo, ou outro cereal como centeio, cevada, aveia… ou flores como papoila, rosas, malmequeres, margaridas….). A apanha da "espiga" está ligada à vida agrícola e à economia alimentar, exercendo uma função de talismã sobre a fortuna e fartura.
A espiga pendura-se dentro de casa, na parede da cozinha ou sala e aí se conserva até ser substituída pela espiga do ano seguinte, expressa virtude benfazeja.

maio 05, 2013

"Reabilitação do edifício do Mercado Municipal de Loulé”


A 16 de Janeiro de 2008, o projecto de “Reabilitação do edifício do Mercado Municipal de Loulé”, foi galardoado com o prémio Turismo de Portugal, na categoria de “cidade”, que distingue infra-estruturas públicas de interesse turístico, potenciadoras de novos pretextos de visita às cidades.[1]


[1] In: Jornal Região Sul, versão electrónica – www.regiao-sul.pt.