dezembro 01, 2013

Ainda em Messines

“Ficamos em Messines, ponto de sahida para Silves, a primeira cidade algarvia que attrahe a nossa curiosidade de viageiros. Estação deserta. Nem mais um passageiro, além de nós. A madrugada húmida traz-nos arrepios por uma noite mal dormida. Vae clareando. Em torno, a paisagem tem todas as gradações do verde, n’uma harmonia suavíssima, desde o azeitonado da alfarroba té ao alegre-claro das amedoeiras que orlam as estradas, povoam cerrados e vão ainda entresachar as fiadas interminas de figueiras, que coroam montes e colinas – acocorando-se em manchas, pequenas e redondas com manjericos – a rastejar pela terra calcinada os seus braços contorcidos.” 

in: João Arruda, Cartas d'um Viajor, 1908, p. 75 e 76