agosto 10, 2014

Senhora da Orada - cont. 3

A espacialidade da festa – a ligação ao mar – uma história recente que confirma a vitalidade de uma tradição secular…

A partir da década de 70 do século passado o trajeto da procissão passou a ser feito por mar, certamente devido à realidade da vila de então, em que a pesca já não representava a atividade principal de Albufeira.
Durante o Estado Novo o cortejo era acompanhado ao som da Banda da Mocidade Portuguesa, hoje em dia é pela Banda Filarmónica de Paderne.
O atual percurso faz-se por mar, a imagem da Senhora da Orada entra numa embarcação típica, transportada pelos pescadores de Albufeira, no cais do Porto de Abriga (perto da marina) e percorre a costa até à praia do INATEL, mantendo a sua forte ligação com os homens do mar.

À multidão de fiéis juntam-se agora também os turistas, a festa ganha uma nova dimensão, mas a sua origem mantém-se, esta é a padroeira dos pescadores e o seu culto remonta a uma época anterior ao século XVII. Ou seja, apesar do crescimento turístico, a raiz e a vocação piscatória é anualmente evocada através da celebração de Nossa Senhora da Orada.

P.S.B.