julho 21, 2014

A acção de Estácio da Veiga

(...)
Nos anos de 1877 e 78 Estácio da Veiga, foi oficialmente designado pelo Governo, para proceder ao reconhecimento das antiguidades que surgiram na margem direita do Guadiana, após chuvas torrenciais que caíram no final do ano de 1876 e que provocaram grandes cheias no rio Guadiana, quer em Mértola, quer em Alcoutim[1].

Este momento seria o início da acção deste arqueólogo na região da qual era natural. Ao longo, aproximadamente, de dois anos, Estácio da Veiga irá percorrer todo o Algarve, fazendo prospecção e levantamento arqueológicos, da região.

Deste trabalho de arqueologia, que há muito abandonara o amadorismo, irá surgir a Carta Arqueológica do Algarve, a primeira do país. A sua acção foi de tal modo importante e feita de forma científica e sistemática, que ainda hoje, a sua obra Antiguidades Monumentaes do Algarve[2], é uma ferramenta incontornável para a arqueologia da região[3].

P.S.B.



[1] In João Luís CARDOSO e Alexandra GRADIM – «Estácio da Veiga e o reconhecimento arqueológico do Algarve: o concelho de Alcoutim», Separata de O Arqueólogo Português, Série IV, Volume 22, Lisboa, 2004, pp. 67-112. 
[2] De notar, que em Novembro de 2006, foi lançado o V Volume, até então inédito.
[3] Vide Francisco de Sande LEMOS, «art. cit.».